ARTIGO: Técnico de mineração tem salário superior que graduados em diversas áreas

Sobre

segunda-feira, 5 de setembro de 2016 - Notícias de Mineração Brasil (NMB) Um técnico em mineração tem um salário médio 119% maior que, por exemplo, o de um biomédico. Também recebe 117% a mais que um farmacêutico e 61% além do que ganha um cirurgião-dentista com carteira assinada no Brasil. A ocupação foi a que mais remunerou um profissional de nível técnico da indústria nacional em 2014, com R$ 7.834, valor já corrigido pela inflação. Os dados são do Ministério do Trabalho. O segundo maior salário de nível técnico está no segmento de petróleo e gás. Um profissional da área ganha, em média, R$ 7.707, 120% a mais que psicólogos, por exemplo, dizem dados do Relatório Anual de Informações entregue pelo empregador ao ministério. A valorização das carreiras técnicas tem quebrado um paradigma, afirma Ricardo Haag, diretor da consultoria Page Personnel. "A modalidade já foi vista apenas como um plano B à graduação. Hoje, é possível ser bem sucedido só com o diploma de educação profissional”, disse ele em entrevista à Folha de S.Paulo. De acordo com Rafael Lucchesi, diretor-geral do Senai, se engana quem pensa que um técnico só aperta parafusos. "Ele tem mais noção de gestão e tem sido reconhecido no mercado porque lida com soluções que não admitem erro", diz. Lucilia do Prado Silva, 36, técnica em mineração da Vale, faz o controle da exploração da lavra de manganês em Parauapebas (PA). Um erro de cálculo pode impactar a produção da empresa. "Estudo muito para encontrar a melhor área na mina", declara. Os salários atrativos seguem um mapa balizado pela escassez de profissionais qualificados. No Norte e no Nordeste, cargos em mineração e pesquisa e desenvolvimento são os mais bem pagos. No Amazonas, um técnico experiente em mineração, por exemplo, ganha R$ 20 mil, enquanto um pesquisador com doutorado recebe R$ 13,8 mil. "Estão embutidos aí os riscos e a insalubridade de se trabalhar no meio da floresta", afirma Marcelo Tunes, diretor do Ibram (Instituto Brasileiro de Mineração). Nas regiões Sul e Sudeste, são os técnicos da indústria pesada os mais bem remunerados. O mecânico Valdir da Silva, 48, ganha R$ 6.000 para fabricar ferramentas usadas no setor automotivo em uma indústria do Grande ABC. Para ele, a função exige mais que atualização. "Além de dominar a tecnologia, que muda muito, você tem que ter habilidade. Quando o homem perder a habilidade, pode ter certeza que as máquinas controlarão tudo", diz. Segundo a economista Roberta Nastar, que realizou uma pesquisa sobre o tema na Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FVG-SP), a especialidade adquirida durante a formação tem refletido no aumento da renda dos profissionais técnicos. Ela cruzou dados de 67,2% dos concluintes do ensino médio que fizeram as provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2004 a 2006 e que conseguiram um emprego formal logo à frente, entre os anos de 2009 e 2012. Isolou fatores sociais, econômicos, geográficos e educacionais dos pesquisados, como o desempenho na prova nacional. "Ter uma especialidade fez com que o ganho dos jovens com técnico fosse 13% mais alto em relação aos que não têm essa formação", afirma. Segundo Haag, da Page Personnel, o profissional precisa fazer uma leitura estratégica do mercado antes de optar pelo ensino técnico. "Poucas pessoas têm essa clareza. Dependendo do segmento escolhido, a formação superior é a mais adequada”, diz. Para Lucchesi, do Senai, o país peca ao privilegiar a universidade como um caminho único de formação. Hoje, apenas 11% dos jovens brasileiros estão em algum curso da educação profissional. "E só 17% deles vão para a universidade. O ensino médio precisa mudar para garantir uma profissão aos 83% que estão fora da vida acadêmica", afirma. As informações são da Folha de S.Paulo.

Adicionar aos favoritos

Compartilhe & Favorite
Onde

Anuncie